Falando da PL do Veneno

 

 

Falar de agrotóxico para um produtor orgânico é como ouvir um desafino numa ópera. Dói, e dói muito. Nós somos como médicos, estamos lá na terra todo dia, olhando, observando e entendendo como aquele processo de simbiose funciona. Acho que ninguém entende melhor de um assunto quando se está lá observando diariamente, constantemente e não precisa de uma grande faculdade ou um doutorado para entender o que a Mãe Terra tem a nos dizer.

Produzir organicamente, de forma sustentável não significa apenas não colocar agrotóxico nas plantações, significa PRESERVAR nosso ecossistema, nossa fauna, flora. E uma constatação triste é que seria utopia acreditar numa produção 100% orgânica, na verdade nós mitigamos uma situação, pois desde o surgimento do agrotóxico na Primeira Guerra Mundial (com as indústrias químicas) nosso solo e lençol freático já se contaminou ao longo de quase um século de uso desses venenos químicos. E pensar que comer uma verdura ou cenoura hoje pode não ser mais tão saudável assim se não souber a procedência. Por isso é hora de aumentar cada vez mais a procura para a oferta também crescer.

Produzir orgânicos é respeitar a saúde de quem está comendo e de quem está lá colocando a mão na terra, é pensar que o produtor orgânico não está ingerindo veneno gratuitamente sem direito de escolha. É se usar dos princípios mais inteligentes que surgiu há mais de milhões de anos, que é a inteligência da Natureza. Ela está aí para nos ensinar (e sem cobrar nada!) como cuidar do nosso Planeta. Afinal somos uma simbiose (natureza, humano).

Agora vem a “PL do veneno” querendo nos tirar ganhos mínimos alcançados. Nós que somos um dos países com o maior índice de uso de pesticidas corremos o risco de piorar nossa segurança alimentar. MAS O QUE É ISSO ? Vou explicar de forme breve e simples.

Esse projeto prevê uma mudança na lei de 1989. Dentre os pontos a serem mudados, sem muitas explicações, as palavras por si só já nos dizem o que a bancada ruralista quer:

-mudar o nome de “agrotóxico” para “defensivo fitossanitário”

-centralizar o registro dos agrotóxicos nas mãos do “Ministério da Agricultura” mudando então o atual modelo que está sob “vigia”  da Anvisa e do Ibama.

-Tirar de fora questões como quantidade usada, local aplicado e o modo como usar o produto. Se realmente fossem usados com parcimônia, talvez reduziríamos algum mal…. mas nem isso…..

-Mudar a análise dos agrotóxicos proibindo apenas substâncias com “riscos inaceitáveis”

Precisamos dizer sobre teor político nesses itens? Essa “flexibilização” pode fazer com que o uso de agrotóxico aumente desenfreadamente. Um risco à nossa saúde, ao nosso ambiente, ao Planeta. Venho aqui dizer que produzir de forma orgânica é hábito, assim como começar uma dieta. No início estranhamos, mas com o decorrer do processo tudo se encaixa e a produção flui como qualquer outra. O que temos é interesse político e capitalista, falta de informação, incentivo baixo do governo, medo dos produtores de não conseguirem desovar sua produção e…… esses itens todos já passaram por uma Comissão Especial e agora pode ser aprovado no Plenário da Câmara.

Por isso grandes nomes como Bela Gil estão fazendo barulho para não deixar passar. Nós produtores também! Precisamos pensar em nossa saúde, pois comer saudavelmente é comer de forma sustentável e não simplesmente se alimentar de frutas e legumes, que repito, podem ser muito mais tóxicos do que as reais vitaminas que você procura.

Por isso não se pode calar. Procure pelo saudável de verdade. Já é um ótimo começo.

Abraços

Multiplicando Espécies

Aqui na Fazenda temos algumas formas de multiplicar espécies mais delicadas e com sementes difíceis de se encontrar no mercado brasileiro.

O método mais lindo e mais prazeroso é quando esperamos as espécies se polinizarem e gerarem os seus frutos. Aqui na empresa temos muitos fatores que nos proporcionam essa dádiva da natureza.

Primeiro que nossa produção é orgânica e por natureza isso já atrai muitos  polinizadores, principalmente as abelhinhas. Aqui temos muitas!!! Pássaros, grilos, joaninhas, borboletas, o vento…… Numa produção convencional esse processo de polinização praticamente não acontece, pois os pesticidas e químicos acabam espantando esses bichinhos que são fundamentais no ecossistema.

Como a natureza vive em harmonia, a chance do ciclo botânico  finalizar é muito grande. Por isso conseguimos colher as sementes (que são os frutos) de flores, ervas e até de alfaces.

E essas sementes são ainda mais propensas à germinação, uma vez que foram geradas de plantas que “deram certo” no bioma local e a chance de vingarem é muito maior.

Outra forma de multiplicar é a estarquia, que é quando colhemos um ramo ou folha da planta para enraizarmos na água e depois passarmos para a terra já com a raiz formada.

E tem também um outro  processo que é a Alporquia, um pouco menos utilizado aqui mas necessário algumas vezes.

   Na época das grandes embarcações e a difusão das espécies

 

As ervas aromáticas remontam muitos séculos. Na época das embarcações elas foram sendo levadas de um continente a outro assim como várias espécies botânicas. Temos um erro muito grande ao acreditar que tudo o que vemos num país é originário de lá. E esse é um dos fatores nos quais podemos afirmar que 90% das espécies que consumimos hoje são híbridas e não mais nativas, afinal foram muitas trocas de espécies pelo mundo.

O Brasil mesmo que possui um clima tropical e uma cartela enorme de frutas têm pelo menos 20 delas que não são originárias daqui, como a banana (Sudeste asiático), a laranja (Ásia), a maçã (Ásia) e o caqui (também da Ásia).

No início foram criados grandes jardins medicinais com o que se encontrava e utilizavam as espécies com o intuito de ajudar toda a população. Posteriormente foram surgindo os jardins Botânicos, com o intuito de preservar espécies nativas e também “descobertas” preciosas e exóticas.

Temos que nos atentar para alguns cuidados ao usar as ervas como medicinais e em quantidades indevidas na alimentação, pois algumas ervas podem não fazer bem à pessoas com determinados problemas. Por exemplo: o alecrim em excesso não é ideal ser consumido por pessoas com pressão alta. A camomila também pode gerar processo alérgico a quem tem uma pré-disposição de alergia ao pólen. Por isso, mesmo com o advento dos remédios químicos ainda precisamos ter cautela quando falamos de remédios de ervas. Ainda têm muitos que se utilizam da medicina caseira e não se dão conta de alguns distúrbios que podem ser provocados no organismo por dosagem errada. Não é à toa que já em 500 A.C. já existiam espécies de plantas usadas como remédios. Por isso, não é brincadeira.

Muitas espécies tiveram também sua exploração indevida e correm o risco de extinção, como é o caso do Sândalo (valioso pelas suas propriedades calmantes e antibacterianas) e o palmito Jussara (nativo da nossa Mata Atlântica e saborosíssimo), que hoje está com sério risco.

A natureza nos oferece muita riqueza, mas precisamos saber explorá-las com cautela e pensar sim em nossa preservação mundial das espécies.Cada planta é um tesouro que nos foi dado e elas são responsáveis pelo nosso tão estimado oxigênio.

FLORES COMESTÍVEIS E COMPOSTOS ANTIOXIDANTES

É nas pétalas das flores que se encontram os compostos antioxidantes, os minerais e as vitaminas. A cor, manifestada por estes órgãos, justamente se sobressai devido a presence desses micronutrientes.

Quanto maior o teor de compostos fenólicos presentes nas flores comestíveis maior a atividade antioxidante delas. Elas possuem diversos compostos fenólicos (ácido gálico, kaempferol, quercetina, apigenina, ácidos clorogénicos, etc.). Os teores destes compostos variam ao longo da maturação da flor e também ao longo do armazenamento, após a colheita, pelo que também a atividade antioxidante sofre variações.

A cor das flores reflecte, no essencial, os teores e tipos de carotenóides e antocianinas presentes. Os teores destas últimas estão associados aos níveis de flavonóides totais, logo à atividade antioxidante.
E os benefícios? São vários!

Os compostos antioxidantes previnem o envelhecimento precoce por dentro e por fora, desde rugas até doenças cronico degenerativas como mal de Alzheimer, cancer, Parkinson.

A presença de carotenóides está ligada a uma redução do risco de cataratas e degeneração macular, entre outros efeitos benéficos para a saúde.

Os efeitos anti-inflamatório, antimicrobiano e antiviral são outros atributos conhecidos das flores comestíveis, estando relacionados com a presença de flavonóides, mas também de compostos responsáveis pelo seu aroma. Estes últimos incluem diversos terpenos, também presentes nos óleos essenciais extraídos dessas flores. As medicinas alternativas ou complementares usam, desde longa data, óleos extraídos de flores como agentes terapêuticos.

Elas podem ser usadas em saladas, sopas, pratos convencionais e até em chás sem perder sua capacidade antioxidante.

Devido às suas propriedades nutricionais e quimioprotetoras, as flores comestíveis podem ser classificadas como nutracêuticos e utilizadas frequentemente na alimentação humana.

 

logo nutri

 

Produção Consciente

Na Fazenda Maria cuidamos de cada plantinha com muito carinho, respeitando o espaço e o tempo da natureza. Utilizamos a cadeia alimentar e meios não artificiais para eliminarmos pragas e doenças. Os nutrientes fundamentais para o desenvolvimento de uma planta estão todos disponíveis na natureza, basta aprendermos a transformá-los e torná-los disponíveis para elas. Tal sabedoria dispensa a compra de inúmeros insumos disponíveis no mercado.

Por exemplo, em uma infestação por lesmas existem algumas opções de biocontrole. Vou compartilhar com vocês a que demonstra mais resultado aqui para nós.

Divida um chuchu (elas amam esse legume!) em quatro partes e salpique sal em cada uma delas. No final do dia coloque estes pedaços em pontos estratégicos da sua horta, aqueles em que você já viu uma lesma rondando. Uma dica: elas têm preferência pelos pontos mais úmidos e sombreados. No dia seguinte, logo pela manhã, vá correndo conferir. Você encontrará algumas delas sobre o chuchu, algumas vivas outras não. Retire todas elas com o uso de uma luva ou instrumento, coloque em uma lata de alumínio junto com alguns pedacinhos de jornal, coloque fogo e guarde as cinzas! Nunca pise em uma lesma, ao fazer isso você estará liberando muitos dos seus ovos na terra e só auxiliando na sua proliferação.

Faça esse procedimento todos os dias, até que você não encontre mais nenhuma pela manhã. Semanalmente junte água nas cinzas e pulverize na sua horta, o cheiro irá repelir a aproximação de novas lesmas. Repita o ciclo sempre que encontrar uma delas nas suas plantinhas, pois elas se reproduzem rapidamente.

É mais fácil ir na loja e comprar uma isca de metaldeído, o mais comum tratamento antilesmas? Sim, mas você corre o risco de contaminar seus animais de estimação e os alimentos da sua horta, pois o veneno acaba sendo absorvido pela terra e então pelas plantas.

A melhor parte de fazer o uso do biocontrole é que você acaba se aproximando da sua horta. Se você nunca utilizou nenhuma dessas ferramentas faça a experiência e vai perceber como sua relação com suas plantinhas vai mudar; ficamos mais sensíveis aos seus recados: sim, elas nos contam diariamente como estão, basta estarmos atentos!

Barbarah