Multiplicando Espécies

Aqui na Fazenda temos algumas formas de multiplicar espécies mais delicadas e com sementes difíceis de se encontrar no mercado brasileiro.

O método mais lindo e mais prazeroso é quando esperamos as espécies se polinizarem e gerarem os seus frutos. Aqui na empresa temos muitos fatores que nos proporcionam essa dádiva da natureza.

Primeiro que nossa produção é orgânica e por natureza isso já atrai muitos  polinizadores, principalmente as abelhinhas. Aqui temos muitas!!! Pássaros, grilos, joaninhas, borboletas, o vento…… Numa produção convencional esse processo de polinização praticamente não acontece, pois os pesticidas e químicos acabam espantando esses bichinhos que são fundamentais no ecossistema.

Como a natureza vive em harmonia, a chance do ciclo botânico  finalizar é muito grande. Por isso conseguimos colher as sementes (que são os frutos) de flores, ervas e até de alfaces.

E essas sementes são ainda mais propensas à germinação, uma vez que foram geradas de plantas que “deram certo” no bioma local e a chance de vingarem é muito maior.

Outra forma de multiplicar é a estarquia, que é quando colhemos um ramo ou folha da planta para enraizarmos na água e depois passarmos para a terra já com a raiz formada.

E tem também um outro  processo que é a Alporquia, um pouco menos utilizado aqui mas necessário algumas vezes.

A Primavera

 

 

Está chegando a estação das flores. Estação linda e sem dúvida muito mais florida. Como as flores gostam dessa época do ano. Gostam tanto que já começam a anunciar a estação antes mesmo dela chegar de fato.  Não temos muitas chuvas e nem o calor e o frio são fortes. Temperaturas amenas e propícias às nossas lindas flores.

Falando como produtora, como alguém que vivencia as flores comestíveis de perto, lá na Fazenda Maria todo ano nessa época começo ver como nunca as flores de mostarda, de coentro e as da rúcula.

As calêndulas também ficam esplendorosas, amarelas, vibrantes. As lavandas criam um mar de perfume e cor. As cravinas também nos presenteiam com suas cores vivas, avermelhadas e lilás com um sutil e significante fundo branco, que só faz exaltar a sua cor.

As flores do manjericão já são mais acostumadas a aparecer o ano todo, mas ajudam a complementar a paisagem aromática e atrair cada vez mais as abelhas. Abelhas essas que fazem uma linda dança entre os manjericões e as flores.

A capuchinha por ser uma flor de inverno ainda se sustenta com os resquícios dele. Mas sabemos que assim que a primavera se despedir já não a teremos mais entre nós.

Os Ypês também, mostram-se com suas flores. E flores comestíveis. Encontramos  flores amarelas, brancas, rosas e roxas. Uma árvore tão ornamental, mas que também produz flores saborosíssimas.

A natureza tão perfeita com sua magnitude e transparência, sabe nos presentear com tantas cores e vida. E olhando as flores não nos damos conta muitas vezes que elas estão ali para proteger o ovário da planta e atrair com seus aromas e cores os insetos polinizadores, pois sua “intenção” na verdade é proliferar sua espécie e gerar o seu fruto.

Em homenagem à essa estação convido-os a participar da minha palestra que vai acontecer dia 21-out em São Paulo no Clube Hebraica. Teremos degustação das flores e muita desmistificação sobre seus usos culinários. Para mais informações enviar email para deborah@fazendamaria.com.br ou por wats 11-97051 9042.

Seja Bem-Vinda Primavera!

Deborah na Fazenda @deborahnafazenda

Produção sustentável- muito além do não uso de Pesticidas

A Fazenda Maria há 4 anos se transformou em produção de manejo orgânico. Quando entramos nesse universo da sustentabilidade não podíamos imaginar o quão abrangente seria trabalhar com o reaproveitamento da água da chuva, o esterco da vaca, da galinha, o não uso de agrotóxicos, o cuidado em não usar o mata mato e “n” outras atitudes e práticas . Atitudes e práticas que na verdade querem dizer: preservar o ecossistema, a fauna , a flora.

Cultivar microorganismos vivos e querer que eles façam parte da nossa terra. É querer ver as abelhas polinizando, borboletas voando, joaninhas se saboreando. Culturas diversas, dizendo não à monocultura, fazendo rodízio das olerículas, montando a compostagem com os subsídios da própria propriedade.

E aí você se vê no meio de girassóis, que além de servir como barreiras naturais contra pragas e quebra-vento, embelezam toda a propriedade, junto às árvores frutíferas de pequeno porte e aos lindos e exuberantes eucaliptos que têm a mesma função.

E descobre também que o mato não é mais inimigo, que quando ele aparece é que demos o devido descanso à terra depois de produzir um produto. E uma terra descansada consegue repor seus minerais, suas vitaminas e recuperar aos poucos seus microorganismos vivos. Depois , ainda plantamos o adubo verde para ajudar a controlar o potencial gerador da terra e aí plantamos novamente e o ciclo continua, assim como nas florestas.

E aí você observa e vê cores, olerículas misturadas, diversos tons de verdes, diversas alturas diferentes, passarinhos, grilos, abelhas, minhocas, fungos, bactérias, solo vivo, ativo , macio e percebe que produzir de forma orgânica é ter VIDA, COR, CHEIRO é preservar a NATUREZA, o ciclo natural da TERRA.
Um produto que cresce num solo sadio, cuidado, cresce mais forte, mais resistente às pragas . Por isso o produto orgânico é mais saboroso, porque ele cresce a seu tempo, dentro da sua real biologia, fortalecido e organicamente em sintonia com a natureza.

Abçs

Equipe Fazenda Maria

Dicas práticas e saudáveis com nossos produtos

Olá queridos!

 

Hoje daremos algumas dicas práticas de como utilizar os ingredientes que chegam até vocês em nossas cestas.

 

  1. Ervas para chá:

Capim cidreira, hortelã, erva-doce

Todos podem ser fervidos com água e ir para a geladeira. Tornam-se bebidas refrescantes e saudáveis para esse calor, além de digestivas. Aqui fazemos assim:

-Picamos ou soltamos as ervas e fervemos com 2 litros de água. Depois acrescentamos mais um pouco de água fria e levamos para gelar.

-Na hora de servir  podemos acrescentar rodelas de limão! Hummm

 

  1. Ervas para temperos:

Manjericão verde, manjericão roxo, mil folhas, hortelã

-Todos podem ser usados frescos em saladas e em massas servidas como salada. Fica delicioso. O manjericão roxo dá um toque especialmente gostoso, vale muito a pena experimentar.

-O hortelã fresco com coalhada e pepino regados ao azeite. Nossa, fica show!

 

  1. Tubérculos- ideais para fugirmos do glúten

Mandioca, batata – doce, batata comum

-Todos podem ser pré-cozidos e assados com azeite e polvilhados com tomilho ou alecrim.

-Também podem ser usados para escondidinhos: batata-doce com carne moída, mandioca com frango desfiado, batata comum com carne seca.

-Podemos comer mandioca e batata-doce com café, ao invés dos famosos pães. Já experimentaram batata-doce com geléia e queijo branco? E Mandioca com manteiga? Vale a pena.

  1. Flores comestíveis

– Suas pétalas podem ser misturadas às saladas verdes ou as de frutas ou ainda usadas para decorar mousses e doces.

 

Essas foram alguma dicas , em breve daremos mais.

Obrigada

 

Beijos

 

DeborahIMG_3265IMG_3268