Multiplicando Espécies

Aqui na Fazenda temos algumas formas de multiplicar espécies mais delicadas e com sementes difíceis de se encontrar no mercado brasileiro.

O método mais lindo e mais prazeroso é quando esperamos as espécies se polinizarem e gerarem os seus frutos. Aqui na empresa temos muitos fatores que nos proporcionam essa dádiva da natureza.

Primeiro que nossa produção é orgânica e por natureza isso já atrai muitos  polinizadores, principalmente as abelhinhas. Aqui temos muitas!!! Pássaros, grilos, joaninhas, borboletas, o vento…… Numa produção convencional esse processo de polinização praticamente não acontece, pois os pesticidas e químicos acabam espantando esses bichinhos que são fundamentais no ecossistema.

Como a natureza vive em harmonia, a chance do ciclo botânico  finalizar é muito grande. Por isso conseguimos colher as sementes (que são os frutos) de flores, ervas e até de alfaces.

E essas sementes são ainda mais propensas à germinação, uma vez que foram geradas de plantas que “deram certo” no bioma local e a chance de vingarem é muito maior.

Outra forma de multiplicar é a estarquia, que é quando colhemos um ramo ou folha da planta para enraizarmos na água e depois passarmos para a terra já com a raiz formada.

E tem também um outro  processo que é a Alporquia, um pouco menos utilizado aqui mas necessário algumas vezes.

A Primavera

 

 

Está chegando a estação das flores. Estação linda e sem dúvida muito mais florida. Como as flores gostam dessa época do ano. Gostam tanto que já começam a anunciar a estação antes mesmo dela chegar de fato.  Não temos muitas chuvas e nem o calor e o frio são fortes. Temperaturas amenas e propícias às nossas lindas flores.

Falando como produtora, como alguém que vivencia as flores comestíveis de perto, lá na Fazenda Maria todo ano nessa época começo ver como nunca as flores de mostarda, de coentro e as da rúcula.

As calêndulas também ficam esplendorosas, amarelas, vibrantes. As lavandas criam um mar de perfume e cor. As cravinas também nos presenteiam com suas cores vivas, avermelhadas e lilás com um sutil e significante fundo branco, que só faz exaltar a sua cor.

As flores do manjericão já são mais acostumadas a aparecer o ano todo, mas ajudam a complementar a paisagem aromática e atrair cada vez mais as abelhas. Abelhas essas que fazem uma linda dança entre os manjericões e as flores.

A capuchinha por ser uma flor de inverno ainda se sustenta com os resquícios dele. Mas sabemos que assim que a primavera se despedir já não a teremos mais entre nós.

Os Ypês também, mostram-se com suas flores. E flores comestíveis. Encontramos  flores amarelas, brancas, rosas e roxas. Uma árvore tão ornamental, mas que também produz flores saborosíssimas.

A natureza tão perfeita com sua magnitude e transparência, sabe nos presentear com tantas cores e vida. E olhando as flores não nos damos conta muitas vezes que elas estão ali para proteger o ovário da planta e atrair com seus aromas e cores os insetos polinizadores, pois sua “intenção” na verdade é proliferar sua espécie e gerar o seu fruto.

Em homenagem à essa estação convido-os a participar da minha palestra que vai acontecer dia 21-out em São Paulo no Clube Hebraica. Teremos degustação das flores e muita desmistificação sobre seus usos culinários. Para mais informações enviar email para deborah@fazendamaria.com.br ou por wats 11-97051 9042.

Seja Bem-Vinda Primavera!

Deborah na Fazenda @deborahnafazenda