Trecho do livro “Agroflorestando o Mundo” que relata bem como surgiu o conceito da Agrofloresta.

 

Autores:

Nelson Eduardo Corrêa Neto, Namastê Maranhão Messerschmidt, Walter Steenbock ,Priscila Facina Monnerat

“ O Início, o Fim e o Reinício do Mundo”

No ano de 1.500, quando os navios portugueses desembarcaram no Brasil, encontraram povos que se sentiam e agiam como integrantes da natureza. Reconheciam a sacralidade do mundo e a essencialidade da floresta com todos os seus seres e espíritos para desfrutarem de um ambiente farto e adequado à vida.

Plantavam e lidavam com o ambiente pensando no bem – estar de toda a vida, incluindo os animais que criavam em liberdade e dos quais se alimentavam. Sua agropecuária era tão integrada aos processos naturais, que os portugueses não puderam perceber que a faziam. Por isto, na primeira carta enviada ao Rei de Portugal, Pero Vaz Caminha afirmou que eles não cultivavam plantas e nem criavam animais. Mesmo assim destacou que um dos alimentos que mais consumiam era “esta mandioca, que por todo o canto há”.

No entanto, esta planta obtida pelos indígenas através de processos seculares, jamais seria presente, sem as práticas agroflorestais dos povos indígenas. Como já sabiam os povos que habitavam a América em 1500 e como confirmam os mais avançados estudos ecológicos, o funcionamento da natureza é orgânico em todos os seus níveis de organização. A organicidade está presente nas organelas dos microorganismos individuais que chamamos de células.

Por sua vez, as células se organizam em tecidos e órgãos e, junto com demais microorganismos que compõem o ecossistema corpo, geram o meio ambiente corporal adequado à vida de todos. Em níveis de organização superiores, os vegetais, animais e microorganismos manifestam a sagrada organicidade da vida nos ecossistemas, biomas, na biosfera e no Organismo Planeta Terra.

Através deste sistema incrivelmente cooperativo, são mantidas todas as condições para que possamos bem viver, como o ciclo das chuvas, o clima e a composição exata da atmosfera. Portanto, a ideia de basear a sociedade e a agricultura no oposto da cooperação, ou seja, na competição e dominação da natureza e de outros seres humanos, é totalmente anti-natural e portanto anticientífica. No entanto, é ainda mais dominante atualmente do que no ano de 1.500.

Em conseqüência, todas as desgraças que se sucedem à expulsão da vida das florestas e das gentes dos campos, anunciadas na fala do povo Yanomani, estão acontecendo globalmente no planeta Terra. Ao mesmo tempo, ocorre grande sofrimento humano, também decorrente do império da competição ter se estabelecido como regra nas relações humanas. “

 

Vamos refletir. O que queremos para o nosso futuro?

 

Equipe Fazenda Maria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s